O samba do crioulo doido

Por Péricles Capanema

No último 23 de junho a presidente Dilma discursou de improviso na solenidade de lançamento dos Jogos Mundiais dos Povos indígenas. Bem-humorada e autêntica, deixou o Brasil aturdido e triste. A íntegra do discurso (áudio de 21 minutos e transcrição) está no portal da Presidência. Abaixo, trechos.

Pontapé inicial: “Então, eu vou começar comprimentando [a transcrição oficial sempre coloca caridosamente cumprimentar] os guerreiros que representam os povos indígenas aqui presentes, vou saudá-los a todos eles”.

Mais um pontapé, parecido primarismo de ideias e expressão, além do português estropiado: “Eu quero comprimentar o Marcos Terena, e perguntá prá vocês se vocês acreditam que alguém que conhece o Marcos Terena esquece dele, se é possível. Não é possível. Então, eu lembro perfeitamente”.

Do meio da parlenga vagante despenca de repente uma concepção pasmosa: “Aliás, nós num podemos falar só de cultura indígena, a gente teria de falá, no nosso hemisfério de uma civilização indígena. Houve aqui neste hemisfério uma civilização do porte da civilização hindu, da civilização chinesa, da civilização egípcia, da greco-romana, que foi a chamada civilização da Mesoamérica e também a civilização inca. Eu acredito que nós somos todos é, eu acho que herdeiros, daquilo que é a afirmação da civilização dos povos indígenas no nosso hemisfério”.

Morro abaixo no palavrório errático: “Sem deixar de comprimentar também aqui todas as lideranças indígenas nacionais e estrangeiras que participam do lançamento desse primeiros jogos que vão integrar, eu acredito, a agenda internacional, muito bem dita pelo ministro, primeiro da paz, foi em torno da paz que se recompôs aquilo que era tradição grega de transformar os jogos num momento de confraternização entre diferentes representantes das cidades gregas, e que nós, ocidentais e orientais e povos de todas os hemisférios, transformamos num momento especial, durante uma fase muito difícil por que passou o mundo, que foi no entreguerras.[Os primeiros jogos olímpicos se deram em 1896; o período entreguerras vai de 1918 a 1939.] Eu quero comprimentá aqui também o nosso governador Rodrigo Rollemberg, do Distrito Federal, e a senhora Márcia Rollemberg. Quero aproveitá imediatamente e comprimentá a senhora Cláudia Lelis, governadora em exercício do Tocantins. Tanto o governador Rollemberg como o Marcelo Miranda, aqui representado pela governadora em exercício, Cláudia Lelis, ambos estão participando dum ato de extrema relevância e de extrema importância, que vai marcá, eu acho, a história das etnias no mundo.”

A seguinte descoberta espetacular foi destinada aos diplomatas presentes: “Quero comprimentar também os senhores e as senhoras chefes de missão diplomática acreditados junto ao meu governo e relembrar a eles a importância do caráter internacional desses jogos, né? Um dos is, porque é o nosso COII, é o Conselho Olímpico Indígena Internacional, um dos is é a parte internacional”. Palmas no auditório. O que teriam pensado os diplomatas?

Nem o pobre governador envolvido entendeu a alusão na frase sem pé nem cabeça: “Não posso deixar de comprimentar o nosso governador do Piauí, Wellington Dias, que nós carinhosamente chamamos ‘o índio’ e que se caracteriza pelo fato de que todos nós sabemos que se ele pular uma janela é bom a gente pulá atrás, porque ele descobriu alguma coisa absolutamente fantástica”.

Continua comprimentando sem fim: “Quero fazer três comprimentos especiais: quero fazer um comprimento especial ao Hamilton de Holanda e à Margareth Menezes, mas também queria dirigir um comprimento todo especial ao nosso querido Marcos Frota, que fez a apresentação com aquela capacidade que ele sempre demonstrou, e aquela sensibilidade e dedicação que ele tem a todos aqueles que se interessam e lutam por melhorar a nossa sociedade e o nosso país”.

Agora, em dilmês castiço (expressão de Augusto Nunes) apresentação eufórica e desparafusada da função civilizatória da mandioca: “Eu acredito que é necessário que nós tenhamos muito orgulho da formação histórica deste país […] nós temos de ter um imenso orgulho de na composição da nação brasileira nós sermos uma mistura de várias etnias. E aqui, hoje, nós estamos saudando uma delas: nós estamos saudando a etnia indígena [não é uma delas; quis dizer, etnias indígenas, povos indígenas ou nações indígenas] que trouxe para nós […] Mas eu queria saudar, porque nenhuma civilização nasceu sem ter acesso a uma forma básica de alimentação. E aqui nós temos uma, como também os índios e os indígenas americanos [até hoje ninguém tinha se dado conta que os Estados Unidos, a eles se refere a douta Presidente, foram habitados outrora pelos índios e pelos indígenas; os apaches são índios ou indígenas?] têm a dele, nós temos a mandioca. E aqui nós estamos comungando a mandioca com o milho. E certamente nós teremos uma série de outros produtos que foram essenciais para o desenvolvimento de toda a civilização humana ao longo dos séculos. Então, aqui, hoje, eu tô saudando a mandioca. Acho uma das maiores conquistas do Brasil”. Mais palmas intensas no auditório, havia ultrapassado os próprios marcos anteriores de fulgor intelectual.

O palanfrório oferece a seguir o auge da elaboração teórica: “Aqui eu queria mostrar o que é a nossa relação antiga com o esporte. Aqui tem uma bola que eu passei o tempo inteiro testando. É uma bola que é uma bola que o Terena me presenteou e que eu vou levar, e ela vai durar o tempo que for necessário, e ela vem de longe, ela vem da Nova Zelândia. E é uma bola que eu acho que é um exemplo, ela é extremamente leve. Eu já testei e ela quica. Eu testei, eu fiz assim uma embaixadinha, minto, uma meia embaixadinha. Bom, mas eu acho que a importância da bola é justamente essa, o símbolo da capacidade que nos distingue como.. nós somos do gênero humano, da espécie sapiens. Somos aqueles que têm a capacidade de jogar, de brincar. Porque jogar é isso aqui: o importante não é ganhar e, sim celebrar. Isso que é a capacidade humana, lúdica, de ter uma atividade cujo o fim é ele mesmo, a própria atividade. Então, o esporte tem essa condição, essa benção. Ele é um fim em si e daí porque não é ganhar, é celebrar, é participar dos jogos indígenas. É participar celebrando o que significa essa atividade que caracteriza primeiro as crianças. Atividade lúdica de brincar, atividade lúdica de ser capaz de jogar. Então, pra mim essa bola é um símbolo da nossa evolução. Quando nós criamos uma bola dessas, nós nos transformamos em homo sapiens ou mulheres sapiens”. De novo, aplausos, agora tímidos. Dose forte demais, parece, até para áulicos.

E vai por aí afora. Ainda existem na mente presidencial, boiando à toa, nacos intoxicados das doutrinas totalitárias e coletivistas do VAR-Palmares, a mais de cacos mal digeridos de teorias keynesianas. Aqui e alhures, o mesmo padrão: afirmações disparatadas no meio de bolodórios sem costura minimamente concatenada de ideias. Desafortunadamente, não será a última vez que o povo, confrangido, escutará o que a mente presidencial tem de mais autêntico. Com piloto de cabeça assim desnorteada, nos últimos anos o Brasil teve, por mínima que fosse, alguma chance de norte?

Péricles Capanema é engenheiro civil, escritor e conferencista. É autor de “Minas, os mineiros e seus mineirismos – um ensaio de interpretação” e de “Horizontes de Minas”.

Comments

comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Pular para a barra de ferramentas